«

»

jun 03

CONTABILIDADE E AS PESSOAS FISICAS

WEBER, Diego Felipe[1]

 

Marion (1998) diz que a contabilidade é um grande instrumento que auxilia a administração na tomada de decisões; para ele, essa ciência se utiliza de várias ferramentas para fornecer tais informações, permitindo aos usuários uma leitura sobre toda a situação patrimonial e financeira da empresa.

Denomina-se usuário da contabilidade toda pessoa física ou jurídica com interesse pela avaliação financeira e patrimonial de uma entidade. Pessoa física é todo indivíduo desde seu nascimento até sua morte.

Ao contrário do que muitos pensam, a contabilidade pode ser empregada por qualquer pessoa interessada em controlar seu patrimônio, abrangendo inclusive as pessoas físicas.

Na atualidade, as pessoas físicas praticam a chamada contabilidade básica, pois controlam as suas dívidas num caderno com anotações de todas as despesas mensais, que, por alguns, é conhecida como Planejamento pessoal ou Planejamento financeiro.

Segundo Macedo (2007), o planejamento financeiro é um processo de gerenciar as finanças, objetivando a satisfação pessoa.

A contabilidade relacionada à pessoa física apresenta demonstrações contábeis de forma diferenciada das entidades jurídicas.

No Balanço patrimonial, deverão conter todas as aplicações duráveis que o individuo realizou: carros, imóveis, joias, eletrodomésticos, aplicações em poupanças, entre outras; no passivo, todas as dívidas contraídas, por exemplo: empréstimos a pagar, farmácia a pagar, entre outras; da subtração do ativo e passivo, surgirá o patrimônio líquido, ou seja, bens e direitos da pessoa menos as dívidas.

A demonstração de resultado, no caso de pessoa física, deve ser estruturado considerando as receitas (salários, ganhos de capital, rendimentos de aplicações etc.) e as despesas, estas relacionadas à alimentação, vestuário, lazer etc; o resultado poderá ser negativo ou positivo, ou seja, apresentar prejuízo ou lucro respectivamente.

A demonstração de fluxo de caixa, ou DFC, é um relatório de grande utilidade interna, pois demonstra todas as entradas e saídas de dinheiro do patrimônio pessoal. As principais atividades que afetam o DFC são aquelas que aumentam ou diminuem o caixa. Entre as primeiras, são exemplos o recebimento de salário, venda de ativos, juros sobre aplicações e outras entradas financeiras. Já as que diminuem o caixa são: pagamentos de juros, desembolsos para pagamento de contas e aquisição de ativos.

A contabilidade, através de suas demonstrações, serve para analisar, informar e ajudar na tomada de decisão pessoal, em função disso, a temática serve de interesse a todos que desejam controlar seu patrimônio pessoal, uma vez que a situação financeira de uma pessoa não deve ser jogada à sorte.


[1]Acadêmico do 5° semestre de Ciências contábeis da FAF.

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>